terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Exercício para Nadadores

Exercício para avançados ou atletas de bom nível técnico e físico.

O Objetivo é fortalecimento de toda região do CORE com movimentos similares ao executado dentro d'água pelos nadadores.

O nadador em destaque chama-se Greg Krug(atleta federado em SC e que transferiu-se para Curitiba para estudar e tem treinado com a equipe Gustavo Borges, onde eu cuido da preparação física fora da piscina, inclusive o exercício foi sugestão do próprio nadador.



Até.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Efeitos Fisiológicos do treinamento sistematizado - Parte II


Alterações sistêmicas induzida pelo treinamento

Hipertrofia cardíaca
Menor freqüência cardíaca
Maior volume de ejeção
Aumento no volume sanguíneo
Hipertrofia do músculo esquelético

Durante o exercício sub Máximo

Redução no acúmulo do ácido lático
Maior volume de ejeção
Redução na freqüência cardíaca
Menor utilização do glicogênio muscular

Durante o exercício máximo

Aumento no Vo2 Max
Maior acúmulo de ácido lático
Maior débito cardíaco
Maior volume de ejeção

Alterações respiratórias

Maior ventilação pulmonar
Maior eficiência respiratória
Aumento nos volumes pulmonares

Outras alterações

Redução na composição corporal
Redução nos níveis sanguíneos de colesterol e de triglicérides
Queda na pressão arterial durante o repouso e o exercício
Maior aclimatação ao calor
Maior força de ruptura do osso, dos ligamentos e dos tendões

Referencia bibliográfica

Fox;Bowers;Foss. Bases Fisiológicas da Educação Física e dos Desportos.
Verkhoshanski, Yuri V. Treinamento Desportivo. Porto Alegre: Artmed,2001.
Bompa, T. Periodização no treinamento desportivo. São Paulo: Manole, 2001.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Efeitos Fisiológicos do Treinamento Sistematizado - I Parte


Um pouco sobre Treinamento Desportivo

Processo organizado que visa o aperfeiçoamento com base em princípios científicos, estimulando modificações psíquicas, técnicas, morfológicas no organismo.

Deve proporcionar o maior rendimento individual possível ao esporte ou modalidade praticada;
Deve ser individualizado;
Deve ser planejado e sistematizado de forma cientifica e com base em experiências bem sucedidas;

Para obtenção de nível elevado de desenvolvimento, técnico, tático e psicológico o atleta deve submeter-se as altas cargas de treinamento;

Métodos de treinamento são programas destinados a aprimorar as capacidades energéticas tanto aeróbicas quanto anaeróbicas , assim como os respectivos desempenhos.
Exemplos: Intervalado, continuo, fartlek, exaustão, tolerância lática...

Efeitos Fisiológicos

Qualquer método sistematizado trará alterações básicas, mudando somente no tipo do esporte, se é de característica aeróbico ou anaeróbico.
Ex: maior oxidação das gorduras, maior oxidação do glicogênio, alteração relativas nas fibras musculares, hipertrofia, maior reserva muscular de ATP-PC, alterações cardiorespiratória em repouso,vascularização sanguínea...

Alterações Bioquímicas Induzida pelo Treinamento

Maior conteúdo de mioglobina
Maior oxidação de carboidratos
Maior oxidação das gorduras
Maior reservas musculares de ATP e PC
Maior capacidade glicolítica

Até.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

BASTIDORES DO ALTO NÍVEL

Você já viu o vestiário de uma seleção? Nas grandes equipes de futebol do cenário nacional também funciona assim, isso se chama alto nível.

Atletas amadores ou de esporte individual devem tentar seguir os mesmo padrões, organização do material, alimentação para pós prova, mas tudo feito pelo próprio atleta, no alto nível tem tudo na mão.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

COB planeja criação de um Centro de Treinamento exclusivo em Londres

O objetivo da entidade é dar mais tranquilidade de treinamento, aumentando assim as chances de medalha na competição. As informações são do jornal "Lance!".

- Nossa ideia é dar o máximo de privacidade para nossa delegação, algo difícil na Vila Olímpica. Estamos falando de um local com ginásio, piscina, campo de futebol, quadra de vôlei de praia, sala de musculação - explicou Marcus Vinicius Freire, superintendente executivo de esportes do COB.

A ideia de montar um QG em Londres foi copiada dos Estados Unidos. Agora, o COB negocia com o Centro de Treinamento Municipal de Londres, além de duas universidades, para montar seu próprio CT.-

É um salto de qualidade para o Brasil. Potências do esporte como EUA, Austrália, Inglaterra e Alemanha já fazem isso. Só estamos seguindo o caminho dos maiores do mundo - disse Freire.

Fonte: Globoesporte.com

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

FIM E PRÉ-TEMPORADA


Fim de ano chegando para atletas e equipes e isso só significa uma coisa, alguns dias de descanso e uma nova temporada iniciando.

Muitos atletas já iniciaram seu período de pré temporada, quando falamos em esporte coletivo como futebol a maioria dos campeonatos estaduais inicia em janeiro e por isso as maiorias dos clubes já estão formando e avaliando suas equipes. Quando falamos em esporte individual como o triathlon muitos atletas também estão acertando seus ciclos de treinos já que temos duas das principais competições do calendário nacional já no inicio do ano Triathlon de Caiobá e Triathlon Internacional de Santos.

Alguns triathlon estão exigindo atestado médico no momento da inscrição e meu conselho é que ao invés de procurarem um médico para assinar um papel realmente façam uma bateria de exames, é muito mais prático e inteligente já se programarem para todo ano fazerem isso, principalmente que hoje em dia grande parte da população de atletas possuí plano de saúde que cobre avaliações cardiológicas.

Nessa última semana acredito que bati meu recorde pessoal de avaliações de pré e final de temporada em tão poucos dias, foram pelo menos 10 composição corporal em nadadores e 24 composição corporal em jogadores de futebol de uma equipe profissional e isso numa diferença de 200km de distância.

Não basta somente treinar, identifique como está a máquina por dentro isso vai ajudar a ter um ano melhor, criar metas fisiológicas e principalmente evitar um possível susto no meio do caminho.

Até.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

ESTÃO DE BRINCADEIRA?


Senhores;


Dificilmente esse espaço será utilizado para questões que possam partir para um lado político, mas mais uma vez pelo descaso a um esporte que gosto tanto e principalmente descaso a atletas não tem como ficar calado.
Significado de Descaso
s.m. Pouco-caso; desatenção, descortesia, desprezo.


Há tempos venho conversando com amigos, atletas, treinadores que a CBTRI não deveria mais organizar competições de triathlon, ela deveria sim repassar sua chancela através de concorrência, solicitação seja lá como for a órgão competentes e especializado nesse tipo de evento. Hoje temos exemplos de SESC, NASPORT, CIADEEVENTOS entre outras que são empresas ou instituições que apresentam um nível bastante alto na qualidade de organizadores de eventos competitivos. O tradicional triathlon de Caiobá, organizado pelo SESC se não me falha a memória surgiu antes da fundação da CBTRI e o mínimo que deveriam fazer é um estágio para saber como organizar provas, bloquear trânsito, proteger a saúde dos atletas.


Posso dizer aos novos atletas que mesmo há anos atrás quando a Confederação dispunha de bastante dinheiro, diversos patrocinadores, as provas pelo menos nas categorias amadoras sempre foram bagunçadas, atrasando horário, errando correnteza da maré, etc. Quem fez uma prova em Camburiú deve lembrar bem disso.


Infelizmente os atletas brasileiros ou melhor o Brasil perante as organizações mundiais como Comitê Olímpico Internacional necessita de competições que dêem o título de campeão brasileiro a alguém nas diversas distancias existentes no triathlon e por isso dependemos de competições ligadas a uma Confederação nacional.


Alguma atitude deve ser tomada, ou será que vão esperar morrer alguém como o nadador americano Fran Crippen que morreu afogado durante a última etapa da Copa do Mundo de Maratona Aquática, em Fujairah, nos Emirados Árabes Unidos.


Pra que organizar prova em lugar tão distante e sem tradição? Espero que ninguém me reponda que é para massificar o esporte!


A CBTRI poderia enviar um e-mail ao pessoal do Ironman e perguntar porque não fazem mais o Ironman em Porto Seguro e qual foi a tranformação que ocorreu no esporte depois da mudança para Florianópolis!
Pessoal situação fácil de ser resolvida, ou melhor fácil de ser evitada, basta querer, comprometer-se, ter amor e acreditar no que está fazendo.


Até.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

COMERCIAL DE VERDADE

Olá, está cansado de assistir comercial de cerveja, de super mercado, empresa de celular?

Limpando minha caixa de e-mail encontrei este comercial de primeira enviado pelo atleta Júnior Gravena, nadador de primeira também que treina o fora da piscina comigo.

Curtam,



Até.

DOR NO CALCANHAR

Você sente dor no calcanhar? Chega a ir mancando até o banheiro? Ou o seu calcanhar dói após correr ou jogar tênis?

No passado, isto era chamado de “esporão” do calcâneo, pois, na radiografia observava-se um“ bico de osso”. Na verdade, sabe-se que isto não é a causa da dor.
A dor é causada pela inflamação de uma estrutura fibrosa, chamada de fáscia plantar, localizada na sola do pé, que conecta o calcanhar aos dedos, com função de suportar o arco plantar e absorver o impacto.

Se a tensão nesta corda for muito grande, isto pode acarretar pequenas lesões onde ela se origina no osso do calcanhar. A inflamação desta camada do pé (fasceíte plantar) pode apresentar-se como sensação de “facada” ou queimação na sola do calcanhar e geralmente piora pela manhã em razão da contração da fáscia plantar durante á noite. Em geral, após alguns passos a dor melhora, retornando quando permanecemos muito tempo sentados e vamos levantar.

CAUSAS MAIS COMUNS

• Impacto: corrida, dança, aeróbica
• Tipo de treinamento: aumento da intensidade dos treinos, treino em superfície muito dura, caminhar na areia da praia.
• Compressão do nervo tibial
• Trauma: ruptura da fáscia plantar, contusão (pisar em uma pedra)
• Doenças reumáticas
• Diabetes
• Fratura de stress

FATORES PREDISPONENTES

• Fatores anatômicos: pé plano (“chato”), pé cavo e pé pronado; diferença no comprimento das pernas, deformidade rotacional.
• Encurtamento da musculatura posterior da perna ou da fáscia plantar
• Obesidade: o sobrepeso sobrecarrega o calcanhar
• Faixa etária: com o passar dos anos a fáscia plantar vai sofrendo uma degeneração do colágeno e perde a capacidade elástica, sofrendo pequenas rupturas. Além disso, a camada de gordura sob a fáscia plantar vai sofrendo atrofia e perde espessura e capacidade de absorver o choque.
• Calçado impróprio: uso de sapato baixo, solado gasto ou muito rígido, sapato folgado ou ausência de suporte do arco do pé.
• Fator ocupacional: pessoa que permanece a maior parte do tempo em pé, apoiado em superfície rígida. (professor, garçom)

TRATAMENTO
• Repouso. Evite longos períodos em pé.
• Mudança de atividade física para evitar impacto. (Natação ou bicicleta oK)
• Medicação para a dor
• Gelo (você pode usar uma garrafinha de água congelada)
• Não ande descalço em superfície dura (especialmente ao sair da cama)
• Mantenha o peso adequado
• Uso de palmilha
• Troque o seu tênis gasto
• Alongue a fáscia plantar e a musculatura da perna antes e depois dos exercícios e antes de sair da cama
• Massagem no local com bolinha de tênis
• Fisioterapia para analgesia, alongamento e fortalecimento

No caso de dor persistente, temos a opção de utilizar uma espécie de órtese noturna para evitar que o pé fique caído e encurte a fáscia.
Casos mais resistentes podem necessitar de uma infiltração ou até de tratamento cirúrgico.
Ignorar este problema pode tornar o caso crônico e acarretar dores em outros lugares como joelho, quadril e coluna.

ATÉ.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

SORTE QUE O ESPORTE ERA O TÊNIS E NÃO CICLISMO, LEVANTAMENTO DE PESO...

No último domingo, as torcidas de Basel e Luzern se uniram para protestar contra a mudança no horário do jogo válido pela 14ª rodada do Campeonato Suíço. Para que a partida terminasse antes do confronto de tênis entre Roger Federer e Novak Djokovic, a televisão adiantou três horas o ínicio do jogo de futebol. Resultado: os torcedores jogaram milhares de bolinhas de tênis no gramado.



Fonte: globoesporte.com

Até.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

NÃO É SÖ NO BRASIL!!!!



Lendo um site Australiano, descobri que o nadador Geoff Huegill( atleta que tive a oportunidade de conhecer e ve-lo nadar ao vivo), está em dúvida se treina para a próxima olimpíada ou dedica-se ao mundo dos negócios.

Ele havia planejado que os Jogos da Commonwealth seria o seu canto do cisne, mas admitiu que ganhando o ouro em Nova Deli tinha mudado de idéia.

"Sabendo agora que estou bem e a pouca distância de voltar para casa com uma medalha dos Jogos Olímpicos, é uma direção motivadora para querer permanecer no esporte pelos próximos 18 meses. Mas, como tudo, eu tenho que ponderar as oportunidades que estão lá. Eu tenho que pesar a minha carreira profissional, eu tenho responsabilidades e eu tenho uma família,preciso me concentrar para estar bem".

Isso mostra que não é só no Brasil que os atletas ficam em dúvida sobre sua carreira em certo momento da vida.

Até.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Academia de SP é condenada a pagar direitos autorais pelo uso de músicas

A academia de ginástica Training Gym, localizada na Rua Clodomiro Amazonas, no Itaim Bibi, bairro nobre de São Paulo, foi condenada pela Justiça a pagar direitos autorais pelas músicas que executa nas atividades físicas, como em aulas de dança e de aeróbica, realizadas pelos frequentadores. A decisão é do juiz Gilberto Azevedo de Moraes e foi anunciada no começo de outubro. O valor da indenização é de R$11.287,65, quantia referente ao período que vai de maio de 2005 a maio de 2010.

De acordo com posicionamento anterior por parte do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre o assunto, ficou estabelecida a necessidade de obtenção de licença autoral e consequente retribuição autoral, calculada conforme critérios definidos no Regulamento de Arrecadação do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), para que as academias utilizem músicas em locais de acesso ao público. A licença é fornecida pelo Ecad, representante legal dos titulares e autor da ação contra as academias e demais estabelecimentos comerciais.

Segundo o Ecad, a determinação judicial será importante não só para o estado de São Paulo, mas também para todo o país. “A decisão reflete o importante papel do Judiciário na proteção e reconhecimento do trabalho intelectual dos autores de músicas, em prol da cultura nacional”, declarou Samuel Fahel, gerente-executivo jurídico do Ecad.

A Lei do Direito Autoral vigente no Brasil assegura que somente os autores têm o direito de utilizar, fruir e dispor de sua obra, bem como autorizar a sua utilização por terceiros. O gerente financeiro da Training Gym, Caetano de Andrade, informou que a academia entrou com recurso contra a decisão da Justiça.

Fonte: G1

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

PATRICE EVRA: MUSCULAÇÃO FUTEBOL



Muitos clubes europeus treinam apenas meio período a parte física geralmente é feita a parte de forma individual, as vezes em academias públicas, em casa ou no próprio clube.

ATÉ.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

SUPER ATLETAS, PRESENTE! E O FUTURO?

Tenho trabalhado com alguns jovens atletas de natação e às vezes vejo coisas que impressionam em força, flexibilidade, coordenação, resistência, etc.
Alguma característica especifica do esporte e outras não, algumas treinadas e outras coisa de genética mesmo.

Recentemente apareceu um garoto “meio” fora de série, com pouco menos de 1,75m, bom, tem dia que executo exercício suspensos pendurados em uma barra bastante alta algo mais que 3m que muitos precisam de ajuda para subir, mas esse garoto sem muito esforço da um pequeno salto e praticamente voa passando frouxo pela barra parece coisa de super herói, rsrs...

Bom, junto a isso recentemente assisti esse vídeo do link abaixo que me ajudou a por em questão se o treinamento desportivo nos últimos 10 anos não parou um pouco no tempo, ficamos com medo de arriscar, de lesionar, de inovar ou será que algumas dessas técnicas de treinamento ficavam limitadas a algumas modalidades ou atletas? Digo isso porque essas “aberrações” estão aparecendo com freqüência, mas isso é recente, de poucos anos para cá.

Há uns 20 anos atrás víamos desenhos, filmes de ficção que hoje são realidades como telefone celular, relógios cheio de função, GPS, computadores portáteis, etc. Assistíamos também seriados e filmes com pessoas com super poderes: resistentes, velozes, fortes... O incrível Hulk, O homem de 1 milhão de dólares, só para citar alguns. Agora parece que esta ficção também está virando realidade.

sábado, 9 de outubro de 2010

NATAÇÃO - UM ATLETA GIGANTE ou GIGANTE DE UM ATLETA?

Grande exemplo, as palavras do técnico sobre o atleta diz tudo!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

PSICOLOGIA: Adaptação de Moleque Atrevido

Olá, recentemente tivemos um caso de desrespeito de um jovem jogador de futebol com seu treinador e com sua equipe, infelizmente isso é uma prática comum em vários setores da vida, mas que não deveria acontecer, coisa de jovem cheio de razão pensando que sabe tudo.

Atualmente estou longe dos treinamentos e competições de uma modalidade que por tantos anos pratiquei, mas isso não impede que eu frequente os mesmos lugares que a turma atuante, lugares como parques, lojas de bicicletas, vestiários de academias, dessa forma acabo ouvindo muitas conversas, criticas sem fundamentos de pessoas que tanto fizeram pelo esporte. Em defesa de amigos profissionais e amadores alguns ainda na ativa e outros não fiz essa adaptação de uma música escrita por Jorge Aragão:

Quem foi que falou
Que eu não sou um moleque atrevido
Ganhei minha fama de bamba
No triathlon sem roda
Fico feliz em saber
O que fiz pelo esporte, faça o favor
Respeite quem pode chegar
Onde a gente chegou
Também somos linha de frente
de toda essa história
Nós somos do tempo do triathlon
Sem grana, sem glória
Não se discute talento
Mas seu argumento, me faça o favor
Respeite quem pode chegar
onde a gente chegou
E a gente chegou muito bem
Sem a desmerecer a ninguém
Enfrentando no peito um certo preconceito
e muito desdém
Hoje em dia é fácil dizer
Que esse esporte é nossa raiz
Tá chovendo de gente
que fala de triathlon e não sabe o que diz
por isso vê lá onde pisa
Respeite a camisa que a gente suou
Respeite quem pode chegar onde a gente chegou
E quando pisar no terreiro
Procure primeiro saber quem eu sou
Respeite quem pode chegar onde a gente chegou

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Escocês x Russo = The Fly Scotsman




Olá, depois de diversos desencontros nas prateleiras da locadora consegui um dia desses assistir um filme que há tempos gostaria de ver, isso graças a um novo sistema de locação de filme via internet que de inicio fiquei desconfiado, mas realmente funciona onde você programa qual filme quer assistir e quando quer devolver sem custo a mais e sem se preocupar em sair de casa, fica tudo por conta do motoboy.

O filme em si é bom e todos que trabalham com esporte e principalmente que gostam de ciclismo e bicicletas devem assistir, um filme baseado em fatos reais e recente ainda por cima, já que a história acontece na década de 90. O Escocês Voador (The Flying Scotsman) – 2006 é o nome do filme.

A idéia não é contar o filme, apenas fazer uma postagem sobre uma situação do filme ou da vida do atleta que tive a oportunidade de conhecer de outra forma.

Em um dado momento da vida do atleta Graeme Obree, bi-campeão mundial de ciclismo, vendo a imagem de um super herói voando parte para a utilização dessa posição.

Ano de 2001, Moscou-Rússia. Em minha segunda breve passagem por este país, tive a oportunidade de conhecer um senhor, uma figura um tanto diferente, um cientista parecendo ter saído de um filme tipo “De Volta para o Futuro”, esse homem usava um óculos fundo de garrafa, daqueles que deixa os olhos bem pequenos e trajava sempre a mesma roupa, um paletó verde e na lapela broches com símbolos ligados ao ciclismo, dentre eles um com a logomarca da COLNAGO.

Conheci este senhor na Cátedra de ciclismo, triathlon e automobilismo, sempre que eu podia ia nesse departamento ver as fotos que tinham no mural, tentar entender alguma coisa.

O meu primeiro contato com este senhor de inicio não foi dos mais amigáveis, em certo momento imagino que ele tenha me perguntado o que eu gostaria e sendo isso ou não eu respondi que estava vendo as fotos em seguida com auxilio de mímicas perguntei se era ele em uma foto e com isso quebrei o gelo, conseguimos iniciar uma conversa onde me identifiquei como estudante brasileiro e com isso este professor começou a falar um pouco em Russo e um pouco em Italiano o que facilitou as coisas, não que eu fale italiano, mas naquele momento era mais fácil. Nesse breve diálogo fui questionado pelo menos duas vezes se eu era um espião, na hora achei engraçado e achei que deveria ser um tipo de trauma de ex-soviéticos, mais tarde entendi o motivo.

Após algumas visitas ele já me chamava de “Amico Giovani” jovem em italiano e aos poucos fui conhecendo um pouco da sua história, esse professor chama-se MARTINOV, mais conhecido como “Martinov o Inventor”.
Professor Martinov foi um ex-grande atleta soviético detentor de vários títulos e recordes no ciclismo:

• “Campeão Moscovita de estrada em 1955, 200 km: 5h12’17”
• “Recorde Mundial 100 km em pista 1956: 2h28’31”
• Vários títulos em bicicleta tandem, etc...

Martinov o Inventor, desenvolveu diversas peças e equipamentos para o ciclismo, foi consultor de diversas fábricas de bicicletas e também foram muitas as suas idéias roubadas e uma delas foi à posição aerodinâmica super-homem, que o ciclista escocês do inicio da nossa conversa utilizou para conquistar seu segundo recorde mundial da hora contra o relógio em pista.

Perdi completamente o contato com este professor, nem sei se ainda está vivo, na época em que lá estive a vida dos russos ainda passava por um período conturbado e esse professor com diversos títulos acadêmicos fazia “bicos”em uma feira transportando turistas no verão e mercadorias no inverno em sua carroça movida a pedal, para aumentar sua renda.



Até.

sábado, 18 de setembro de 2010

MOTIVAÇÃO

Olá, dentro do treinamento desportivos utilizamos várias maneiras de manter o atleta, uma equipe focada, motivada, algumas fases são bastante complicadas o resultado não aparece, situações inesperada acontecem como um pneu furado, um acidente, uma interpretação errada do árbitro.

O atleta experiente sabe como manter a motivação, já os jovens necessitam do auxilio do treinador, psicólogo, capitão da equipe.

Para isso utilizamos de vídeos, livros, música entre outras ferramentas.

Seguindo essa linha de pensamento, posto aqui uma música espetacular, independente do seu gosto musical vale a pena prestar atenção na letra, aumenta o som!



Até.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

TUDO SE COPIA





Dentro da educação física acontecem coisas muito interessantes, parece que grande parte do profissional da área quer criar uma nova metodologia ou um novo método revolucionário de treinamento e até mesmo um equipamento mirabolante. Os educadores físicos de uma forma geral apresentam duas características bem marcantes CRIATIVIDADE e talvez a palavra certa seja impaciência para ler e estudar.

Temos que ter consciência que a lâmpada já foi inventada e os créditos são do inventor que deu a luz a escuridão pela primeira vez, as modernizações e adaptações são importantes, mas não podem ser creditadas com o mesmo valor!

Para o profissional que estuda a fundo perceberá que dificilmente existem novidades verdadeiras e sim “melhoramentos” de coisas já existentes.

Atualmente tenho utilizado para complemento de treinamento de meus atletas de natação o tal do TRX, excelente, mas não tem nada de novidade, tudo baseado em treinos já utilizados por russos há anos, exercícios utilizados por ginastas olímpicos há pelo menos 20 anos!

Então surgindo algo novo em sua academia, aparecendo na televisão ou em revistas de ginástica desconfie, se você é profissional da área busque informações na história do treinamento desportivo em países como Rússia, Alemanha, Cuba e terá chance de antecipar muitas coisas:

Novos Nomes x Antigos Trabalhos:

TRX: Treino em suspensão, utilizado pelos SEAL da marinha americana que pudessem treinar em qualquer lugar e agora utilizados em academias.
É exercícios que estabilizam as articulações, muita força isométrica, treinamento utilizado há anos por ginasta.

SPINNING: Patenteado em 1989 como programas de treinamento indoor e muitos ainda acham que foi uma das maiores criações do mundo do fitness!
Bicicletas quase idênticas as ergométricas, equipamento utilizado por diversos atletas para aprimoramento das capacidades físicas antes dos anos 80, o atleta ZICO quando atuava no Flamengo e passou por um processo de hipertrofia pedalou e muito nas antecessoras do spinning.

Plataforma vibratória transmite vibrações mecânicas a todo o corpo, prometendo: fortalecimento dos músculos, melhor fluxo sanguíneo, redução de celulite, estimulação do sistema hormonal, prevenção do processo de degeneração óssea (osteoporose), contribuição no processo da neuroplasticidade do sistema nervoso.

Há pelo menos 30 anos a Europa estuda sobre as plataformas vibratórias, foi utilizado pro astronautas, existem discussões e não comprovam 100% sua eficiência, existe algumas informações que foi utilizado para tortura soldados na época da guerra fria.

Só para citar alguns!

ATË.

domingo, 29 de agosto de 2010

Vídeos da Largada

Equipe GB, os vídeos das largadas na competição de ontem, vamos utilizar esta ferramenta para correções.










ATË.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

RECURSOS ERGOGÊNICOS MECÂNICOS - PARTE V


Bom dia! Seguimos com a última parte: RECURSOS ERGOGÊNICOS MECÂNICOS E BIOMECÂNICOS

É a utilização de qualquer equipamento, utensílio, vestimenta que possa auxiliar na melhora do desempenho humano, seja durante o treinamento ou mesmo durante a execução do esporte. Muitos desses equipamentos fazem parte integrante do uniforme do atleta e a medida que pesquisas vão surgindo a evolução desses materiais também acontece e os materiais são trocados. Esse é um assunto que sempre gera muita discussão em qualquer competição desportiva, porque algumas vezes não são todos os atletas que tem disponibilidade do mesmo material, outra coisa que pode acontecer é o equipamento ir contra um regulamento pré estabelecido e isso também sempre trás transtorno, um exemplo foi quando uma empresa de bicicletas construiu bicicletas tão leves que o peso era inferior ao estabelecido pelo regulamento e a solução foi soldar "pezinhos" para a bicicleta atingir o peso mínimo.

Outros exemplos são: As roupas de compressão que foram utilizadas na natação e banidas pelo menos por enquanto, capacetes aerodinâmico no ciclismo, utilização de equipamentos simuladores em treinamento, os calçados específicos para cada modalidade, equipamentos para treinamento como para-quedas na natação ou na corrida que criam resistência no deslocamento do atleta, etc.

ATÉ.

Pressão Pscicológica - Continuação Recursos Ergogênicos Pscicológicos



Segue o vídeo que comentei na postagem anterior sobre Recursos Ergogênicos Pscicológicos.

ATÉ.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

RECURSOS ERGOGÊNICOS - PARTE IV

RECURSOS ERGOGÊNICOS PSICOLÓGICOS: O uso de estratégias de motivação psicológica é muito utilizado em esportes de competição, essa "técnica" é usada em treinamento, antes de competições e mesmo durante as competições. Esse recurso pode ser utilizado através, de vídeos/imagens, músicas, frases, oratória de um técnico, pscicólogo, capitão ou líder de uma equipe. O próprio grito da torcida funciona como recurso ergogênico, antigamente era muito comum lutadores de boxe utilizarem fotos de seus adversário próximo de seus locais de treinamento para não perderem o foco, clubes de futebol hoje em dia tem departamento exclusivo para montagem de vídeos motivacionais para ser utilizado antes de jogos importantes. Recentemente em Curitiba em uma competição chamada Mercosul pude presenciar como a equipe de natação do FLAMENGO entra na Arena de competição, posto o vídeo abaixo e nada mais é do que um recurso de intimidarem os adversários e também mantê-los focado e unidos para um objetivo comum. ATË.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

RECURSOS ERGOGÊNICOS - PARTE III

Falaremos hoje sobre RECURSOS ERGOGÊNICOS FISIOLÓGICOS:

Os agentes ergogênicos fisiológicos incluem todo mecanismo ou adaptação fisiológica de melhorar o desempenho físico. O próprio treinamento pode ser visto como um agente ergogênico fisiológico. A adaptação crônica à altitude, ao promover um aumento de glóbulos vermelhos, atua como um agente ergogênico fisiológico na medida em que o retorno a baixas altitudes propicia uma melhora do desempenho físico aeróbio nos primeiros dias subsequentes ao retorno, enquanto a capacidade de transporte de oxigênio pelo sangue permanecer aumentada.

Outras adaptações fisiológicas consideradas "recursos ergogênicos fisiológicos" são: treinar no calor, frio, clima seco, clima húmido, nadar em mar agitado, jogar em campo grande, jogar em campo pequeno, etc...sempre equiparando ao dia do evento/disputa principal.

ATË.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

RECURSOS ERGOGÊNICOS - II PARTE

Dando continuidade falaremos agora sobre RECURSOS ERGOGÊNICOS NUTRICIONAIS:

Os ergogênicos nutricionais servem principalmente para aumentar o tecido muscular, a oferta de energia para o músculo, e a taxa de produção de energia no músculo.

Os nutrientes estão envolvidos com os processos geradores de energia através de três funções básicas: (a) alguns deles são utilizados como fonte de energia; (b) alguns regulam os processos através dos quais a energia é produzida no corpo; e (c) alguns promovem o crescimento, desenvolvimento do tecido corporal que produz energia.

Assim sendo, uma alimentação adequada é fundamental para que consigamos atingir a performance desportiva ótima. .

Os nutrientes podem ser agrupados em 6 diferentes classes: carboidratos, gorduras, proteínas, vitaminas, minerais, e água.

A administração de ergogênicos nutricionais não é considerado doping pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). Veja a relação dos nutrientes que tem sido estudados em relação a performance desportiva.

Ergogênicos Nutricionais :

Carboidratos
Suplementos de carboidrato
Gorduras
Suplementação de gordura
Ácidos graxos Ômega-3
Triglicerídeos de cadeia média (TCM)
Proteína/Aminoácidos
Suplementos de proteína
Aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA)
Arginina, lisina, ornitina
Triptofano
Aspartatos
Vitaminas
Antioxidantes
Ácido pantotênico
Tiamina (B1)
Ácido fólico
Riboflavina (B2)
B12
Niacina
Ácido ascórbico (C)
Piridoxina (B6)
Vitamine E
Minerais
Cálcio
Fosfato
Cromo
Selênio
Ferro
Zinco
Magnésio
Água
Suplementos líquidos
Extratos de plantas
Fitosterois anabólicos
Ginseng
Suplementos industrialmente formulados
HBM(beta-hidroxi-beta-metilbutirato)

ATÉ.

terça-feira, 27 de julho de 2010

RECURSOS ERGOGÊNICOS - I PARTE

O objetivo desta postagem é principalmente esclarecer as dúvidas dos jovens atletas de natação com quem trabalho que necessitam dessas informações para desenvolver um trabalho escolar para compensar as aulas perdidas de educação física com os treinamentos e viagens para competições.

DEFINIÇÃO

O termo ergogênico é derivado de duas palavras gregas: ergon (trabalho) e gennan (produzir).

ERGOGÊNICO

Ergogênico se refere à aplicação de um procedimento ou recurso nutricional, físico, mecânico, psicológico ou farmacológico capaz de aprimorar a capacidade de realizar trabalho físico ou desempenho atlético.

CLASSIFICAÇÃO
Os ergogênicos podem ser classificados em 5 categorias:
1. Farmacológicos;
2. Nutricionais;
3. Fisiológica;
4. Psicológica;
5. Biomecânica e mecânica: técnicas de treinamento ou equipamentos.

EFEITOS ERGOGÊNICOS FARMACOLÓGICOS

Atletas de ambos o sexo utilizam inúmeros agentes farmacológicos, por acreditarem exercer uma influência positiva em seu desempenho esportivo.
Muitos dos agentes sintéticos podem acarretar efeitos colaterais que vão desde náuseas, queda dos cabelos, prurido e irritabilidade nervosa, até conseqüências graves, como esterilidade, doenças hepáticas, dependência medicamentosa e até mesmo a morte causada por câncer hepático e hematológico.

ESTERÓIDE ANABÓLICOS

Surgiu no inicio dos anos 50, para o tratamento de pacientes com deficiência nos estrogênios naturais ou que sofriam de doenças caracterizadas por desgaste natural. Entretanto os esteróides anabólicos passaram a fazer parte integral do ambiente de alta tecnologia dos desportos competitivos, sendo utilizado por cerca de 90% dos fisiculturistas profissionais do sexo masculino e por 80% dos fisiculturistas profissionais do sexo feminino com a esperança de que possam melhorar o desempenho.
O esteróide funciona de maneira semelhante ao principal hormônio masculino testosterona, o hormônio sintético atua diretamente na célula retendo nitrogênio com a finalidade de promover um maior crescimento muscular.

ANFETAMINAS

“Pílulas estimulantes” são compostos farmacológicos que exercem um poderoso efeito estimulante sobre a função do sistema nervoso central. As anfetaminas não têm função comprovada, admite-se que as anfetaminas exacerbam o estado de alerta e de vigília, assim como a capacidade de realizar maiores quantidades de trabalho por deprimirem a sensação de fadiga muscular.
As anfetaminas causam dependência fisiológica ou emocional, cefaléias, temores, agitação, febre, vertigem, confusão mental.

CAFEÍNA

A cafeína é um de um grupo de compostos lipossolúveis encontrados naturalmente nos grãos de café, folhas de chá, chocolate, grãos de cacau e nozes de cola, sendo acrescentada freqüentemente às bebidas efervescentes e aos seus remédios vendidos sem prescrição médica. Nem todos os estudos apóiam os benefícios ergogênicos da cafeína, porém o consumo da quantidade de cafeína encontrada em 2,5 xícaras de café coado 60 minutos antes de exercitar-se pode acarretar um prolongamento significativo da endurance no exercício moderadamente extenuante. A cafeína pode ser um facilitador no uso das gorduras como combustível, pode agir diretamente no músculo exacerbando sua capacidade de realizar exercícios. O uso excecivo da cafeína pode causar cefaléia, insônia, irritabilidade nervosa, assim como pode desencadear contrações prematuras do ventrículo esquerdo. A utilização de 4 a 7 xícaras de café 30 minutos antes de uma competição pode resultar em doping e com isso afastamento das competições.

HORMONIO DO CRESCIMENTO (GH)

O hormônio do crescimento humano (GH), também conhecido como somatotropina, está competindo agora com os esteróides anabólicos no mercado ilícito das drogas capazes de induzir a formação de tecido e de aprimorar o desempenho. Mais especificamente, o GH estimula o crescimento do osso e da cartilagem e acelera a oxidação dos ácidos graxos ao mesmo tempo em que reduz o fracionamento da glicose e dos aminoácidos. Na área médica, GH é administrado as crianças com deficiências desse hormônio para ajudá-las a alcançar um tamanho quase normal.
Incontestavelmente, quanto mais atletas passarem a usar a utilizar GH na esperança de obterem alguma vantagem competitiva, haverá uma maior incidência de diabetes e, nos casos graves, de gigantismo em crianças e da síndrome acromegálica – aspereza de pele, espessamento dos ossos e crescimento excessivo dos tecidos moles – em adultos, assim como efeitos colaterais menos óbvios de resistência insulínica, retenção de água e compressão do túnel do carpo.

ATÉ.

domingo, 18 de julho de 2010

sábado, 17 de julho de 2010

Histórico da Disciplina Educação Física


Século 18, o educador Johann Bernard Basedow (1724-1790), que em 1774 instituiu na escola modelo de Dessau, na Alemanha, a prática de exercícios. Muitas escolas europeias seguiram a mesma linha, até que em 1801 a Dinamarca se tornou o primeiro país a exigir o ensino da Educação Física nas escolas públicas.
No Brasil a atividade passou a fazer parte dos programas escolares, em 1854 o então ministro do Império Luís Pedreira do Couto Ferraz (1818-1886), aprovou um regulamento que incluía a ginástica nas instituições públicas da cidade do Rio de Janeiro.

Até.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

NOTA DE FALECIMENTO


A Educação Física Mundial perde um de seus maiores pesquiadores, em janeiro deste ano postei aqui um pouco sobre sua história que pode ser relida por vocês, segue abaixo a tradução do recado postado por sua filha em seu site oficial:

"Com grande tristeza devo anunciar que meu pai faleceu no Hospital Sandro Pertini, Roma, na quarta-feira, 23 de Junho de 2010.

Gostaria de agradecer a todos aqueles em torno da palavra que enviaram mensagens de condolências e expressou gratidão pelo seu trabalho. Meu pai não será muito atingido por todos nós, mas eu tenho certeza que seu trabalho continuará a influenciar muitos treinadores.

Nos últimos anos de sua vida concentrou-se para divulgar seu trabalho em inglês diretamente sob nosso controle para que muitos das interpretações erróneas devido a imprecisão da tradução do passado de seus manuscritos russos e artigos poderiam ser compreendidos.

A primeira etapa deste projeto foi o site em que começamos a publicar artigos e manuscritos e, de acordo com a sua vontade, o site continuará a ser aberto até que todos os seus trabalhos forem publicados."



Natalia Verkhoshansky

quinta-feira, 1 de julho de 2010

QUEBRANDO A AMOSTRA

Amostra é um subconjunto de elementos pertencentes a uma população. A informação recolhida para uma amostra é depois generalizada a toda a população.

Nem sempre as amostras refletem a estrutura da população de onde foram retiradas ou são representativas dessas populações, podendo levar nesses casos a inferências erradas ou ao enviesamento dos resultados.

e com base nessa amostra é possível determinar por exemplo o candidato que esta com a maioria de votos. e se o governo esta a ou não agradando em seu mandado a população.

As amostras podem ser aleatórias ou não aleatórias.

Em maio de 2010 o atleta americano CHRIS SOLINSKY quebou a amostra de corredores de 10.000 metros.

Ele é o detentor do recorde americano 10000 metros com um tempo de 26:59.60, bem como o primeiro não-Africano a quebrar a barreira de 27 minutos os 10000 metros.

Primeiro atleta com mais de 65kg e alto em torno de 1,86m a baixar dos 27 minutos nos 10.000 metros.

Distância Desempenho Data
1500 m 3:37.27 7 De julho de 2007
Milha 3:54.1 20 De setembro de 2008
3000 m 7:36.90 15 De julho de 2007
5000 metros 12:56.66 4 De Junho de 2010
10000 m 26:59.60 AR, NR 1 De Maio de 2010

Key: AR = área de registro, NR = registro nacional

Vídeo abaixo com as últims 3 voltas do atleta.



Até.

domingo, 20 de junho de 2010

MUSEU ATUALIZADO V

Mais 40 fotos postadas no Museu Fotográfico!

Até.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

CULTURA GERAL


Acabei de assistir Alemanha x Sérvia, foi tal de “ICH” pelo lado da Sérvia, Iavanovich, Stoikovich e até nosso Petkovich comentando, esses nomes nos causam estranheza principalmente em ano de olimpíadas que além dos “ICH” entra os “IEVA” Izinbaeva, Galineva, Soboleva, etc.
Muitas brincadeiras nós ocidentais fazemos sobre esses nomes, mas na verdade poucos sabem a verdadeira explicação para esses nomes. Morei na Rússia e já em uma das minhas primeiras aulas aprendi o porquê disso.
Na Rússia como nos países que faziam parte da antiga União Soviética não é comum utilizarem o sobrenome da mãe como aqui, utilizam-se o nome principal, o nome do pai com a terminação e o sobrenome do pai.

Para nomes masculinos utiliza-se a terminação ICH;
Para nomes femininos utiliza-se a terminação EVA;

Exemplo:

Meu nome: Rafael
Nome do meu Pai: Luiz
Sobrenome: Somma

Ficaria então: RAFAEL LUIZICH SOMMA ou RAFAEL LUIZOVICH SOMMA
Caso eu fosse mulher seria: RAFAELA LUIZEVA SOMMA

Porque disso? Para saberem que o Rafael Somma é filho do Luiz! Assim não se perde tempo, mas fulano é filho de quem?

Mais duas informações CCCP para nós seria SSSR, mas na tradução USSR (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) e a palavra ESKAVUSKA utilizada por um comercial de televisão não existe!

Até.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

IOIÔ TESTE

O assunto campeão de pedidos em minha caixa de e-mails é o tal do teste do Ioiô, esta avaliação é muito utilizada por esportes coletivos e uma das suas principais vantagens é poder analisar vários atletas ao mesmo tempo.

O Ioiô teste é uma importante ferramenta para determinar o nível de aptidão individual do indivíduo e, sendo a aplicação do teste simples e rápido. Duas marcas são colocadas a uma distância de 20 metros entre uma e outra. O protocolo do teste é descrito e gravado (90 minutos). O atleta se desloca de uma marca a outra numa velocidade que é determinada pelo ritmo do sinal sonoro. A velocidade é regularmente aumentada a cada estágio, para que o indivíduo possa manter a velocidade até o final do teste. O final do teste dar-se-á pela fadiga do indivíduo ou, pela não complementação dos dois últimos estágios, ficando neste último caso registrado o último estágio completo. O resultado é determinado pela distância percorrida pelo atleta durante o teste e, conseqüentemente transformado em VO2 máx.

Recebo muito e-mail pedindo o CD com o protocolo sonoro, aproveito para dizer que não tenho, nunca procurei, mas imagino que já seja possível baixar na internet, outra sugestão é utilizar uma área alternativa para fazer este trabalho, utilizar um campo de futebol não é a melhor opção, pois grama vai ficar muito danificada, fazer várias raias com cordas ou fitas na distância específica também é uma boa alternativa para organizar o trabalho.










Até.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Doping

São diversas as maneiras que se pode obter vantagem sobre uma equipe ou atleta em uma competição desportiva, infelizmente a maneira ilícita é uma das que mais desperta interesse por pesquisa e invenções, o triste é quando a "coisa" é descoberta já tirou-se muito proveito e alguém foi prejudicado. Estou postando esse assunto devido ao vídeo que está na rede e disponibilizo aqui para os leitores.



Até.

terça-feira, 25 de maio de 2010

MUSEU ATUALIZADO IV

Pessoal, o museu foi atualizado com mais 26 fotos, confiram!

Até.

domingo, 23 de maio de 2010

MODISMO


No Brasil tudo vem com muita intensidade penso que isso deva ser reflexo de terceiro mundo, surge algo diferente as pessoas tendem a achar que é a melhor coisa do mundo ou a solução para todos os problemas, desde o emagrecimento a alta performance, mas o pior ainda não é isso e sim as pessoas acharem que é novidade, muito difícil surgir algo novo nessa área, o que acontece é um aperfeiçoamento de aparelhos, acessórios, nomes novos para técnicas antigas.

A bola da vez é a GINASTICA FUNCIONAL! A ginástica funcional segue o princípio, de permitir que o treinamento físico seja mais aplicável aos movimentos do corpo em atividade do dia-a-dia, assim como em treinamentos específicos para o esporte. Sua prática estimula o fortalecimento de músculos centrais e mais profundos, contribuindo para uma melhora na estabilidade articular em geral, equilíbrio, coordenação e postura.

Agora quando falamos em desempenho humano, competição, esporte o ideal é verificar qual a necessidade do seu atleta e provavelmente utilizar diferentes formas de treinamento e não se deter em um modismo até porque um treinamento de qualidade e bem planejado já estará embutido formas de trabalho que algum “espertalhão” batizou com um nome diferente.

Até.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Homenagem

O vídeo abaixo é uma homenagem a um povo que aprendi a admirar, tive o prazer de trabalhar com um grande atleta por três meses e antes com um grupo de treinadores que vieram aprender com a gente aqui no Brasil sobre treinamento, fisiologia, nutrição...um povo que é muito parecido com os brasileiros, adoram música até mais do que nós, a música para eles é como AR que respiramos, um povo que um simples rojão que para nós passa desapercebido para eles trazem más lembranças da guerra.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Coloque em prática suas idéias!


Como são as coisas, em uma semana, ou melhor, dois dias ontem e hoje tive o prazer ou desprazer de ver uma idéia que tive a anos realizada ou pelo menos sendo testada, mas infelizmente não tive alguma influência no projeto.

Lembro como se fosse hoje, o ano era entre 1998 e inicio de 2000, trabalhava no Clube do Golfinho que na época afirmo com toda a certeza ser uma das maiores potências do triathlon brasileiro, o Clube do Golfinho sempre foi uma potência na natação, mas nessa época os maiores nomes eram do triathlon, tínhamos ali: Luiz Catta Preta, Juraci Moreira, Pedro Suplicy, Cauê Suplicy, Bauman, Vanessa Cabrini, Kátia Rushel, Gisele Bertucci, Paula Bau, Fernanda Bau... diversos amadores de primeira como Gastão Santos, Fernando Alves, Otávio Tavares...

Minhas responsabilidades nessa estrutura era avaliar a composição corporal dessa turma e comandar a salinha de musculação, nessa época eu ainda era estudante, nossa sala era mais funcional que estruturada e ali possuíamos uma esteira emprestada, uma bicicleta ergométrica e algumas máquinas.
A bicicleta em questão era uma Monark, essa bicicleta já bastante antiga foi desenvolvida principalmente para fazer avaliações físicas, no nosso caso usávamos para aquecimento e trabalho aeróbio com alunos, essa bicicleta era bastante utilizada, por ser bastante funcional, como as bicicletas de spinning de hoje em dia.

Em uma noite estava eu conversando com o ”chefe”, professor Homero Cachel treinador de toda essa equipe e na época arrendatário do clube, falávamos sobre as dificuldades de se manter uma estrutura, aquecimento das piscinas, limpeza, luz... Começamos a divagar sobre o assunto até entrar em gasto energético de alunos, atletas... foi quando olhamos para bicicleta e pensamos: “pô, as pessoas gastam tanta energia em academias se tivesse um meio de reutilizar esta energia para pelo menos acender a luz do local, pensamos porque nunca ninguém pensou nisso, imagine uma sala de spinning quanto de energia não produz? Sem falar os outros aparelhos! A bicicleta Monark foi responsável por isso, por ela ter uma medição em quilopaunds que fazendo algumas transformações chega-se a mensuração em watts, aquela roda da bike não parava de girar!

Nesse período de digamos dez anos não esqueci o assunto, troquei idéias de forma informal com algumas pessoas, alguns me desmotivaram, alguns acharam interessante, mas nunca nem para o papel foi, uma vez lendo uma edição da Outside vi um dos maiores ambientalistas do mundo acionando o liquidificador para fazer um suco pedalando em uma bicicleta, na hora pensei “esse quase chegou a nosso papo! Sorte que ele está pensando em algo maior como fazer um avião que não polua.”

Ontem e hoje banho de água fria que vocês podem ver abaixo.

Até.

http://video.br.msn.com/watch/video/pedalar-para-jantar/aoo4pyue

e

www.educacaofisica.com.br/noticias_mostrar.asp?id=8721

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Perfil do Triatleta Olímpico - II Parte




Olá, continuando, hoje já existem diversos estudos sobre o perfil do triatleta olímpico, lembro quando falo “Triatleta Olímpico” não quero dizer atletas amadores que participam de provas na distância olímpica e sim atletas de elite, atletas profissionais que conseguem se classificar para a final olímpica.

Alguns pesquisadores fizeram comparações entre triatletas e atletas de elite da modalidade individualmente, alguns números:

Estatura Média:
Ciclista = 179,75
Triatleta = 179
Corredores de 10 km = 177,68
Nadadores de Fundo = 185

Os nadadores apresentam uma maior distancia por menor freqüência de braçada que os triatletas (1,23m x 0,92m)

Peso Corporal Médio:
Ciclista: 70,1 Kg
Triatleta: 68,58 Kg em Sidney 2000 71,98 Kg
Corredores: 67,2 Kg

Verificando os atletas que vem se destacando podemos dizer que a tendência para o tipo físico ideal para o triatleta futuro que corra nas provas 1500/40/10 são atletas magros, altos acima de 180 cm, membros inferiores longos para uma maior amplitude de passada e também alavanca no ciclismo, pouco volume de massa muscular.

Esportes de desempenho existem o limitador do tipo físico diferente dos esportes de habilidade motora, o triathlon mesmo sendo um esporte de desempenho tem dois facilitadores, a utilização da roupa de borracha para nadar e a bicicleta que devido à relação de marchas e medidas específicas ajudam o atleta.

Comumente existem discussões de qual o esporte menos selecionador até chegar ao alto nível? Em minha opinião excluindo algumas posições como goleiro e zagueiro é o futebol, desde que o garoto saiba jogar, também porque a habilidade motora com os pés é uma das mais difíceis. No futebol temos MUITOS casos de jogadores que chegam ao alto nível sendo alto, baixo, magro, gordo, pernas tortas, etc.

Até.

sábado, 8 de maio de 2010

Perfil do Triatleta Olímpico - I Parte


Acompanho vários blogs, mas sem dúvida um dos mais ativos é do colega Max da Kona Bikes, lendo uma de suas postagens chamada CORPOS e postando lá um pequeno comentário venho aqui em meu blog dar uma explicação mais cientifica para o assunto levantado por ele.

O assunto se trata do tipo físico para o triathlon, quando falamos de esportes como ciclismo, corrida, natação é fácil falarmos do tipo físico mais funcional para a modalidade, até porque nos baseamos em Phelps, Lance Armstrong, Asafa Powell e gerações anteriores com Gustavo Borges, Miguel Indurain, Carl Lewis...

E no Triathlon? Qual é? Existe? Oscar Galindez é de um jeito, Reinaldo Colucci de outro e Javier Gomes então!

Primeiro devemos separar atletas amadores de profissionais, o triathlon no mundo inteiro é feito por grande parte pela população amadora e nessa categoria não existe e nunca existirá um modelo de tipo físico, como na corrida, na natação, no ciclismo amador também e mesmo em outras modalidades como judô, tênis também será assim, o molde específico só existirá na elite do esporte, até pelo afunilamento natural do melhor desempenho.

Algumas coisas demoram pra acontecer e a “modelagem física” para um esporte que teve sua estréia olímpica em 2000 é uma delas.
Em Sidney ninguém sabia se a modalidade triathlon cairia na graça do público, imprensa, comitê olímpico internacional, mas já anos antes disso quando organizaram a modalidade, criaram um novo regulamento para os moldes olímpicos e a partir de então começou naturalmente a surgir informações técnica, físicas e estratégicas que poderiam influenciar de melhor forma o desempenho do atleta nesta modalidade.

Percebeu-se que os atletas que dominavam as competições quando a etapa de ciclismo não tinha vácuo começaram a perder posições quando participavam das provas com novo regulamento, os atletas que disputavam o circuito classificatório para uma olimpíada deveriam ser ótimos nadadores e ótimos corredores, o tempo de corrida para os 10 km finais começou a cair drasticamente, atletas correndo acima de 18km/h de média e com essa informação a seleção natural começou a trabalhar já que atletas com muito volume muscular geral ou mesmo específico como, por exemplo, de quadríceps teriam bem mais dificuldades para correr nessa velocidade.

Na última olimpíada em Pequim os atletas já tinham um perfil bem mais parecidos quando na sua estréia em Sidney, mas mesmo assim ainda é pouco tempo são apenas oito anos de diferença.

Até.
(Segunda parte na sequência)

quarta-feira, 28 de abril de 2010

DOR MUSCULAR TARDIA


De atletas de alto nível a iniciantes em atividade física não há quem nunca tenha sentido aquela dor no dia seguinte, as causas para esse fato é assunto básico para o profissional de educação física, pelo menos penso que deveria ser.

O interessante que dificilmente as pessoas se referem a ela de forma negativa e sim como “dor boa”, essa dor conhecida por DOR MUSCULAR TARDIA pode surgir por motivos como:

• Pós-período de inatividade física;
• Intensidade, duração do esforço e tipo do exercício realizado;

Essa dor pode aparecer e durar por três a quatro dias. Algum dos fatores abaixo pode ser o agente causador ou mesmo uma combinação delas:

1. Lacerações minúsculas no próprio tecido muscular ou dano de seus componentes contrateis;
2. Alteração na pressão osmótica que causam retenção de líquidos nos tecidos circundantes;
3. Espasmos musculares;
4. Estiramento excessivo e talvez lacerações de porções do arcabouço de tecido conjuntivo do músculo;
5. Inflamação aguda;
6. Alteração no mecanismo celular para a regulação do cálcio;

Alguns estudos mostraram que não é força muscular absoluta, mas sim a magnitude da sobrecarga imposta a uma fibra muscular que desencadeia o dano muscular e a dor resultante.

Estudos mostram que a utilização da crio terapia auxilia na recuperação pós treino e essa possível dor é minimizada.

ATË.

sábado, 17 de abril de 2010

Museu Atualizado III

Novas fotos no museu. Pessoal clicando em cima das fotos abre o álbum no Picasa e as fotos podem ser vistas em tamanho grande.

Até.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Maturidade Biológica, vilã ou não? SEGUNDA PARTE


Maturidade Biológica, vilã ou não? SEGUNDA PARTE


Dando continuidade ao texto vamos entender o que vem acarretando aos indivíduos como ao esporte essa forma de selecionar jovens atletas nascido no inicio do ano, é bom salientar que modalidades onde a temporada inicia na metade do ano e termina na outra metade e que os atletas são separados da mesma forma nascidos de julho de um ano até julho do outro ano isso também acontece nesse caso os privilegiados são os nascidos entre julho e setembro.
Normalmente as equipes, os professores selecionam os meninos mais rápidos, mais fortes, mais coordenados e de forma natural os meninos com um nível maior de maturação terá essas características, mas isso não quer dizer que será o melhor quando igualarem seu crescimento, mas uma das peças do problema é que esses meninos pré selecionados recebem uma carga maior de treinamento, trabalho de mais qualidade, participam de mais competições enquanto os outros são esquecidos em escolinhas e por isso de fato os outros são os melhores ou convocados para equipes mais importantes. Segundo o pesquisador esse fato só ocorre quando verificam três fatores: SELEÇÃO, SEPARAÇÃO E EXPERIÊNCIA DIFERENCIADA.
Saindo do esporte e partindo para educação as conseqüências podem ser ainda maiores, já que os nascidos no final do ano podem ter dificuldades de acompanhar os alunos do inicio do ano no aprendizado na escola, causando frustração, baixa auto estima, depressão.
Segundo o autor da pesquisa algumas escolas agrupam alunos por capacidade, mas na verdade eles estão confundindo capacidade com maturidade e acaba que essa separação faz com que esse grupo receba mais informação, no ano seguinte um pouco mais e assim por diante, estudos mostram que isso persiste até a faculdade, podendo ser a diferença de entrar ou não.

Essa idéia dos aniversários no inicio do ano mostra que os melhores e mais brilhantes é que acabam tendo mais facilidade para serem atletas fora de série é simplista de mais. Os jogadores de hóquei no caso que atingem o nível profissional são mais talentosos do que você do que eu, mas eles também tiveram uma grande vantagem inicial, uma oportunidade que não mereciam nem conquistaram.

O sociólogo Robert Merton cunhou uma expressão bastante apropriada para descrever esse tipo de fenômeno: “Efeito Mateus”. Faz uma alusão ao evangelho de Mateus (25:29): “Porque a todo aquele que tem será dado e terá em abundancia; mas, daquele que não tem até o que tem lhe será tirado”. São os bem sucedidos que tem mais chances de contar com as oportunidades especiais que proporcionarão mais sucesso. São os ricos que conseguem os maiores incentivos fiscais. São os melhores alunos que se beneficiam de um ensino de mais qualidade e de mais atenção. E são os garotos na faixa de 9 e 10 anos com maior desenvolvimento físico que recebem mais treinamento e oportunidade de praticar esporte.

Lógico que tudo pode ser discutido e também existem as exceções posso dizer por mim que aniversario no final do ano e tive uma maturação física muito mais rápida do que meus colegas, a foto acima pode comprovar isso, sou o segundo em pé da esquerda para a direita (o mais alto) aos 16 anos praticamente todos se igualaram e alguns até me passaram em altura e força, mas mesmo tendo maturado fisicamente antes precisaria ter feito estudos na época sobre a parte cognitiva, pois eu tinha muita dificuldade de acompanhar os assuntos dados em aula, raciocino dos professores e dos melhores alunos em sala.

Até.

terça-feira, 13 de abril de 2010

Maturidade Biológica, vilã ou não? PRIMEIRA PARTE


Há alguns anos colegas pesquisadores fizeram um levantamento das datas de aniversários de jogadores de futebol espalhados pelos clubes brasileiros na categoria de base e descobriram que na grande maioria os meninos em atividades eram nascidos no primeiro semestre, essa pesquisa não foi inédita e sim uma comprovação de dados que pesquisadores do mundo inteiro já vêm fazendo há anos sobre a “detecção do talento”.

No livro “Outliers” traduzido no Brasil para “Fora de Série” o autor Malcolm Gladwell reproduz de forma resumida a pesquisa do psicólogo canadense Roger Barnsley que na década de 80 pela primeira vez chamou atenção ao fenômeno idade relativa.

O psicólogo canadense foi com a família assistir uma partida de Hóquei no Gelo e ao deparar com a lista de jogadores notou a “coincidência” de quase todos os jogadores nascerem nos primeiros três meses do ano, após isso Barnsley foi para casa e fez o maior levantamento que conseguiu das datas de nascimento dos jogadores de hóquei profissional e encontrou o mesmo padrão, pesquisou diversas ligas e outras modalidades esportivas e tudo continuou igual.

A explicação para esse fato é bem simples, não há nada de magia para os nascidos no primeiro trimestre e sim uma questão de “crescimento físico” ou “maturidade biológica”. Em algumas fases da vida como entre 10 e 13 anos a diferença entre um garoto nascido em janeiro para o nascido em dezembro do mesmo ano pode ser bastante grande em ganhos de força, velocidade, resistência, concentração, capacidade cognitiva, inteligência de uma forma geral.

O que isso acarreta e ou vem acarretando na segunda parte.

Até.

sábado, 10 de abril de 2010

MUSEU ATUALIZADO II

Novas fotos no museu, iniciei a postagem de legenda nas fotos.

Até.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

UM TALENTO CHAMADO GIANMARCO







Amigos, leitores…


Um dos objetivos de ter criado o Museu Fotográfico do Triathlon, foi por ter notado um grande crescimento de praticantes do triathlon em nosso estado, percebi que muitos não tinham idéia de como era o esporte anos atrás, as poucas competições existentes, a pouca informação sobre treinamento, muitas bikes adaptadas, etc. Mas o que mais me chamou atenção é quando falamos em pessoas, seres humanos que realmente fizeram a diferença, um dia em um vestiário comentei sobre um atleta do passado e ninguém sequer tinha ouvido falar, então falei de seu nível técnico e alguém falou: “é, mas naquela época não tinha tantos atletas...” então tive que enfatizar ainda mais seu nível técnico, fisiológico e competitivo! Em primeira instância sei que aquela turminha que me ouvia “não botou fé” no que eu falei, então tive que pedir confirmação de outro grande atleta presente no recinto que posso dizer que é Dinossauro do Triathlon Nacional chamado Gerson Döll.

Bom, o atleta que eu falava chama-se Gianmarco Luiz, o museu já conta com diversas fotos desse atleta que surgiu antes de Juraci, Cattinha, pedi para ele me escrever falando um pouco dos seus feitos e assim vocês poderão notar a nossa tradição nesse esporte com Gian, Marcelo Abreu, Cattinha, Juraci, Manochio...

RSomma: Quais foram seus melhores resultados no esporte?

Gian: Em Caiobá obtive o 4º lugar geral não lembro o ano, mas cheguei sprintando com Armando Barcellos e Marcus Ornelas tempo de 54 minutos, Troféu Brasil já no primeiro ano como profissional cheguei em 4º geral no final do campeonato, tricampeão Junior brasileiro e me passaram que estaria em 6º no ranking mundial Junior também, mas não tenho como provar este fato, no mundial do Canadá estava em 7º geral nos juniores no ciclismo quando tive que abandonar a prova por hipotermia e fui parar no hospital, para mim foi muito revoltante, pois o meu forte era a corrida e sabia que tinha chances reais de chegar ao pódio, nos outros dois mundiais eu não fui, pois não tinha patrocínio. Bati o recorde sul brasileiro de short triathlon por 14 vezes e sete vezes no Olímpico. Fui campeão brasileiro de duatlhon realizado em Limeira, que na época era organizado pelo Vanderlei Zanguelmi distancias de 5 km/40 km/5 km, lembro que no primeiro 5 km de corrida eu fiz para 14 minutos e 48 segundos e a segunda corrida fiz para 15 minutos e 13 segundos.

RSomma: Fale um pouco sobre suas marcas, suas parciais em treinamento, lembro de ter presenciado você fazer um tiro de 100m de pernada sem pé de patos em piscina de 20m para um tempo absurdo?

Gian:
Natação: 100 metros = 53 segundos; 800 metros = 8’07”; realmente fiz um tiro de 100m de pernada e o tempo foi de 1'07", na piscina da All Sport.
Ciclismo: 40 km = 55 minutos; 20 km no triatlhon em Caiobá fiz para 28 minutos os segundos eu não lembro e tinha vencido uma prova de contra relógio na BR-277 em 1992 quando me preparava para o mundial no Canadá e lembro que o Eduardo Alonso (triatleta) estava me acompanhando de carro logo atrás de mim e marcou o meu tempo, só que ao final o tempo foi alterado pela organização gerando uma polêmica e lembro que o tempo tinha sido quase 2 minutos mais rápido que o segundo colocado no geral, mas tinha usado a prova apenas como um treino forte apesar de estar inscrito. Também venci uma prova de ciclismo no Jardim Botânico onde meu pneu tinha furado e a princípio tinha desistido da prova, onde o Paulo Jamur estava assistindo e me deu a roda traseira dele para continuar,fiz uma prova de recuperação e faltando 3 voltas para o final peguei o pelotão e faltando duas voltas resolvi atacar, ninguém me acompanhou e na ultima volta o pessoal tentou fazer um ataque, mas venci praticamente com o pelotão me engolindo, foi muito marcante esta prova.
Corrida: 5 km na pista = 14'28"; 10km na pista = 29'38"; 21 km = 1h03'24"; em Santos no troféu Brasil nos 5 km fechei em 15'07" e na seletiva do mundial em Campinas conclui os 10 km em 30'40".


RSomma: Explique aos leitores porque parou e o que faz hoje?

Gian: Abandonei minha carreira no triathlon por falta de patrocínio e isto estava me tirando do sério na época,lembro que minhas últimas 3 provas eu bati dois recordes sul brasileiros no triathlon de Caiobá e no internacional de Santos,falei para mim mesmo que não voltaria mais a competir em alta performance e iria cuidar da minha carreira profissional, dito e feito. Mas como dito continuo praticando esportes, mas agora por prazer e adrenalina na veia.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

MUSEU ATUALIZADO I

Olá, todos são convidados a engordarem o "Museu Fotográfico do Triathlon", quem quiser e tiver dificuldades em digitalizar me prontifico a ajudar, desde que não seja muitas fotos de 10 a 15 é um bom número, agora quem já as tiver no formato pode me enviar por e-mail.

Até.

terça-feira, 30 de março de 2010

MUSEU FOTOGRÁFICO (ao lado)

Leitores, amigos…

Faz tempo que gostaria de organizar meu arsenal de fotos sobre triathlon, finalmente iniciei o trabalho e criei em meu blog o “Museu Fotográfico do Triathlon”, sei que existem pessoas ainda na ativa mais antiga do que eu, atletas como Luiz Iran, Gastão... que devem ter muitas fotos para serem mostradas também. O intuito é não deixar perder imagens principalmente de pessoas e situações que foram importantes para a evolução desse esporte.
No momento em que digitalizava cada foto recordava dos momentos e das pessoas, alguns talentos que desapareceram, nomes que não podem ser esquecidos como Gianmarco, Daniel Vieira o “Caladinho”, momentos como aquela tradicional ½ Maratona no dia 1 de maio em que os poucos atletas de Ironman armavam um simulado de meio Ironman onde parávamos de pedalar minutos antes da largada, se não me falha a memória iniciava às 15hs, infelizmente tem gente que não está mais entre nós como o Luiz André “escudeiro/amigo” de tantos treinos do Fernando Alves e tradutor no Ironman da Austrália, Nova Zelândia e Ultraman do Havaí... algumas carinhas que aparecem nas fotos e que já a tempos não competem tenho a sensação que estão esperando o momento certo do retorno e arrisco aqui, José Manoel, Eduardo Schultz ( primeiro paranaense homem a ganhar a vaga para o Havaí), Fernando Alves e seria muito bom ver Eduardo Alonso novamente o maior nome em Longa Distância que tínhamos na época.
Algumas fotos aparecem caras como Ken Glah, Fernanda Keller, Cowman, Scott Tinley, Manoel Mendes e as cobiçadas bicicletas SOFTRIDE.

Espero que gostem das fotos que só clicar ao lado.

Até.

quarta-feira, 24 de março de 2010

ELEVAÇÃO EM V

Olá, tem um mal que atinge principalmente nadadores, jogadores de voleibol, tenistas são as repetidas lesões de ombro. Tenho utilizado para fortalecimento com os atletas uma variação de elevação de ombro, confesso que tem dado bons resultados. A maioria das pessoas utiliza o levantamento frontal e lateral, algumas vezes o lateral se torna bastante desconfortável então essa variação é bastante interessante como complemento, o vídeo abaixo demonstrado pela Professora Beatriz Chagury ensina a correta execução do movimento.

TRABALHO


Olá, tenho recebido alguns e-mails de amigos perguntando seu eu tenho uma Assessoria Esportiva?

Então para esclarecimento geral o Assessoramento Esportivo não deixa de ser um dos serviços que presto, mas não dentro dos moldes das Assessorias de Treinamento em Corrida, Triathlon como as existentes em todo Brasil, prefiro trabalhar em conjunto com elas.

Há tempos venho me dedicando a trabalhar de forma parceira com clubes, academias, atletas, empresários e instituições sem fins lucrativos, meu objetivo principal é trabalhar com o “complemento”, ou seja, a parte não específica do treinamento do atleta, todos os atletas precisam de avaliações, correções de alguma deficiência técnica ou física e é aí que eu entro, colocando os atletas em condição de jogo pós lesão, hipertrofia para atletas magros, perda de gordura, velocidade... Nesses moldes atualmente tenho sob meus cuidados a equipe de natação da Academia Gustavo Borges Curitiba, atletas de 12 a 20 anos, treinada pelo Téc. Ederley, também dois atletas treinando para o Ironman de Florianópolis, o atleta de elite Guilherme Manochio da “Manochio Triathlon Team” e Fernando Brychta.

Outros serviços são consultorias em compras de equipamentos desportivos, Personal Training e cursos de atualizações ou especializações.

Até.

sexta-feira, 19 de março de 2010

MOMENTO BONITO TEM QUE SER MOSTRADO

Momento bonito deve ser mostrado independente da cor da camisa, que vibração da equipe, reparem o som da explosão da torcida é de arrepiar...

sexta-feira, 12 de março de 2010

Decidindo no Sprint


No ultimo domingo assistindo os atletas da categoria Elite no Triathlon de Caiobá, pudemos observar diversos “sprints” até cruzar a linha de chegada, afinal é uma competição em que bastante coisa está em jogo já que os primeiros dez atletas têm direito ao pódio e os cinco primeiros com premiação em dinheiro.

Bom, aproveitando a inspiração dos grandes atletas segue dicas de como tirar vantagem dessa situação partindo do lado biomecânico e também fisiológico:
A velocidade da corrida pode ser aumentada de 3 maneiras:
1) Aumentando o número de passos por minuto;
2) Aumentando a distância entre os passos;
3) Aumentando tanto o comprimento quanto as passadas;
De acordo com estudos, ao duplicar a velocidade da corrida de 10 para 20 km/h, o comprimento da passada aumenta 85%, enquanto a freqüência da passada aumenta apenas 9%. Aumento de velocidades acima de 23km/h era obtido principalmente graças ao aumento na freqüência das passadas. Exceto para velocidades muito rápidas, a velocidade da corrida é aumentada principalmente pelo alongamento da passada. Isso não ocorre com o pedestrianista (velocista de marcha), quando o alongamento da passada passa a constituir um meio ineficaz de aumento da velocidade na marcha competitiva, pois a marcha competitiva requer que o pé que está atrás permaneça sobre o chão, até que o pé da frente faça contato, exigindo uma maior participação da musculatura do tronco e dos braços. Esse fator explica o porquê é mais econômico correr do que andar.
Para correr a uma velocidade constante, parece haver uma combinação ótima de comprimento e freqüência das passadas, que depende da mecânica da pessoa ou do "estilo" da corrida. Devido a essa falta de exatidão é melhor optar por uma passada exagerada que por passadas menores. Para o corredor profissional é importante deixar que ele corra com o comprimento da passada que eles escolheram através de anos de prática, produzindo um desempenho mais econômico na corrida. Por isso não existe um estilo melhor que seja característico dos corredores de elite! Apesar de a análise biomecânica ajudar a corrigir certas irregularidades nos padrões de corrida.

Aceleração do Sprint: A técnica de partida e força de explosão acentua o nível do grau de aceleração. Para treiná-la, são oferecidos como conteúdo: todas as formas de exercícios de partida, saltos breves (pés juntos, em uma perna, simples, triplos - todos têm uma relação estreita com um bom comprimento da passada), saltos longos (saltos com impulso de 30, 60, 100 m e mais). A aplicação simultânea de saltos breves e longos apresenta um aumento quase igual da aceleração para a partida, da velocidade máxima de corrida e de resistência de velocidade. Produzindo um maior progresso em corridas de 100 m.

Até.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Notícias



O meio atacante Manoel Nhanga Zundo, mais conhecido por PAZ, retornou a Seleção do seu país, Paz foi convocado para reintegrar os Palancas Negras como é conhecida a seleção Angolana “vamos jogar uma eliminatória para o campeonato Africano de jogadores residentes”, comentou Paz.

Paz é jogador do Santos da Angola e em 2009 passou três meses em Curitiba sob os cuidados do preparador físico Rafael Somma com o intuito de voltar a condições de jogo e o aumento da massa muscular, todo o trabalho ainda teve a supervisão do PhD. Antônio Carlos Gomes.

Boa sorte amigo!

terça-feira, 2 de março de 2010

QUIZ SOBRE TRIATHLON


O professor de Educação Física Rafael Somma, natural de Curitiba e triatleta amador foi um dos vencedores do “QUIZ” sobre triathlon, realizado pelo blog do também triatleta Ciro Violin, o qual é um dos melhores atletas do Brasil em distância IRONMAN, sendo o primeiro brasileiro amador no mundial de Ironman 2009 no Havaí.
A competição foi online e aberta a quem quisesse participar, recebendo o apoio da empresa New Balance , a qual Ciro é patrocinado. Disputa foi suada!!! Diariamente participantes foram eliminados, até sobrarem apenas dois, foram realizada mais de cinqüenta perguntas.
Depois de várias tentativas de desempate a organização considerou os dois vencedores, premiando com tênis zero quilômetro!

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Fortalecendo os Tendões



Olá, alguns atletas já estão próximo de sua primeira competição anual, outros ainda podem estar iniciando sua pré-temporada.

Agora que estamos nos preparando para a nova temporada é uma boa hora para trabalhar de forma diferente do que nós fazemos o resto do ano é o momento de colocar em segundo plano a obsessão de acumular volume.

Se durante este período de pré-temporada gastar um pouco de tempo para fortalecer nossos tendões, é certo que durante a época não vai nos dar problema e resistir a todas as cargas que daremos a eles.

Os tendões são tecidos vivos fibrosos que incham e ficam cada vez mais forte com a atividade física e tornam-se fraco e fino com a inatividade. Dentro da atividade física, os investigadores descobriram que o trabalho da força de contração muscular excêntrica é mais eficaz para fortalecer e aumentar o diâmetro dos tendões.

Hoje vamos falar do tendão de Aquiles, é o que une os músculos da panturrilha e sóleo ao calcâneo. Portanto, se queremos reforçar o nosso tendão de Aquiles, um exercício muito adequado é a elevação da panturrilha.

Contração concêntrica ocorre na fase ascendente, o músculo contrai ao encurtar para superar a força da gravidade, contração excêntrica ocorre na fase descendente, o músculo é contraído enquanto é alongado para reduzir a ação da força da gravidade.

Primeiro vamos fazer vários sobe e desce com os pés juntos para aquecer, os movimentos devem ser sempre controlados em velocidade lenta e moderados, então vamos subir ou contração concêntrica pés juntos e descer ou contração excêntrica para um pé com o qual o trabalho excêntrico.

Para começar, devemos fazer: 10 sobem e descem com ambos os pés + 6x subindo com ambos os pés e descendo com apenas um e repetir todo o ciclo.

Podemos realizar esses exercícios de 2 a 3 vezes por semana.

Igualmente importante é o reforço do alongamento, e após a realização de exercícios de fortalecimento esticando o gastrocnêmico e sóleo, quando notamos que a posição é suportável estende-se entre 20 e 30 segundos Em nenhum caso deve forçar até doer.

Estes exercícios são preventivos e não curativas, por isso, se você já tem uma tendinite ou dor nessa área, melhor consultar o seu médico uma vez diagnosticado e ir para o seu fisioterapeuta.


Até.